Deputado Luciano Ducci defende reajuste da tabela do SUS para Hospitais filantrópicos

 Deputado Luciano Ducci defende reajuste da tabela do SUS para Hospitais filantrópicos

Imagem da UTI do PP( crédito Hospital Pequeno Príncipe)

Crise financeira afeta as Santas Casas e os Hospitais filantrópicos de todo o Brasil

A crise financeira enfrentada pelos hospitais filantrópicos e santas casas chegou ao limite. Nesta semana houve até a paralisação das atividades em parte dessas instituições. O motivo é o déficit crescente entre os custos de procedimentos e a remuneração dada a eles pelo SUS. A correção dos valores ficou seis vezes menor do que a inflação do mesmo período. Além do déficit histórico, a pandemia de Covid-19 tornou o cenário ainda pior. A inflação da saúde deu um salto e o prejuízo acumulado dessas instituições aumentou muito. A dívida com o SUS está estimada em R$20 bilhões entre hospitais filantrópicos e santas casas de todo o Brasil.

Para o deputado federal Luciano Ducci, que defende o fortalecimento dessas instituições, a crise dos filantrópicos é séria e precisa ser resolvida. “Quando falamos em hospitais filantrópicos, estamos falando de mais da metade de todos os atendimentos hospitalares do Paraná e 70% dos atendimentos de alta complexidade. São hospitais como o Pequeno Príncipe, o São Vicente, o Evangélico, as Santas Casas. Não há como imaginar a saúde do estado sem o atendimento dessas instituições”, comenta o deputado.

O tamanho do problema aumenta todos os dias. Só para se ter uma ideia, um exame de ultrassonografia, que tem um custo médio de R$ 130,00 para o hospital, pela tabela do SUS tem repasse de apenas R$ 37,95. Então, o hospital teria, apenas nos exames de ultrassonografia, um déficit de R$92,00 por exame. E os exemplos não param por aí. O déficit para uma diária de UTI ultrapassa os R$2 mil reais.

O diretor do Complexo médico do Hospital Pequeno Príncipe, José Álvaro Carneiro, conta que em apenas nos dois anos de pandemia, o déficit do hospital chegou a R$89 milhões. “Sobrevivemos por meio de doações e captações de recursos. Deveríamos poder contar com as autoridades para que reavaliassem o pagamento dos procedimentos do SUS que estão profundamente defasados. Faço um apelo ao governo federal: acorde para isso, pense em rever os pagamentos para os procedimentos do SUS”, comentou o diretor.  

Aporte Federal

Em Brasília, movimentos já têm sido feitos para dar apoio aos hospitais filantrópicos. Aportes financeiros, projetos de lei que desoneram gastos e tornam as regras menos rígidas foram aprovadas durante a pandemia para fazer frente à crise e não prejudicar o atendimento.

Para o deputado Luciano Ducci, os esforços do Congresso ajudam, mas não acabam com o problema. “Trabalhamos na Câmara para dar um respiro aos hospitais filantrópicos, seja por meio de projetos de lei, aportes aprovados no plenário, ou ainda por meio de emendas. Em 2020, no início da pandemia foram R$2 bilhões aprovados e repassados a essas instituições. Durante o meu mandato, só em emendas minhas para a saúde do Paraná foram mais de R$120 milhões. Existem mais oito projetos em tramitação com o objetivo de beneficiar estes hospitais, mas o problema só vai ser resolvido com a revisão dos pagamentos do SUS”, finaliza o deputado.